Sexta, 18 Janeiro 2019 15:14

Mortes por hipertensão atingem mais homens na região de Ribeirão Preto

Avalie este item
(0 votos)

CEPERSAUDE JAN2019Mais da metade (51%) dos óbitos por hipertensão na região de Ribeirão Preto são de homens e 80% dos falecimentos são de pessoas acima dos 60 anos. É o que aponta um levantamento feito pelo Centro de Pesquisa em Economia Regional (Ceper) da Fundação para Pesquisa e Desenvolvimento da Administração, Contabilidade e Economia (Fundace), entidade gerida por professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP.

 

O balanço, divulgado por meio de seu Boletim de Saúde, em janeiro, traz dados de internações em cidades da região de Ribeirão Preto no período de 2008 a 2017. Apesar do índice de mortalidade ser maior entre os homens, 53% das internações por hipertensão na região aconteceu entre as mulheres, com 3,4 mil hospitalizações no período.

 

Mesmo em menor proporção, as doenças cardiovasculares são a causa de morte de uma entre três mulheres. Segundo o Ministério da Saúde (MS) a hipertensão arterial aumenta com o avançar da idade, tendo ainda a mulher, outro fator agravante, o início da menopausa. Ainda segundo o Ministério, nos homens doenças cardiovasculares respondem por 20% das mortes.



Na região de Ribeirão Preto ocorreram 6.419 internações por hipertensão no período, sendo 3.648 somente na cidade de Ribeirão Preto. A cidade que mais chama a atenção no índice de mortalidade é Altinópolis, com média de 6,4 óbitos por 10 mil habitantes. Ribeirão Preto, maior cidade da região possui 0,77 óbitos por 10 mil habitantes.

 

A hipertensão pode ser prevenida ou adiada por um conjunto de intervenções preventivas, entre as quais está a redução da ingestão de sal, o consumo de uma dieta rica em frutas e legumes, a prática de exercícios e a manutenção de um peso corporal saudável. São ainda fatores de risco a idade, a hereditariedade, o sexo, hábitos sociais (tabagismo e bebidas alcoólicas) e aspectos físicos, como o sedentarismo e a obesidade.

 

O boletim está disponível aqui.

 

Por: Leonardo Rezende, Assessoria de Comunicação da FEA-RP.

Lido 525 vezes Última modificação em Sexta, 18 Janeiro 2019 15:26