Agenda Qualificações

Agenda Defesas

  • Mateus Manfrin Artêncio Open or Close

    Área:    Administração de Organizações

    Curso: Mestrado
    Data:    03/04/2020, às 14h00 - horário de Brasília
    Local: Defesa online pelo link:


    Título: Influência da informação de Indicação Geográfica nas respostas cerebrais do consumidor: um estudo experimental com café e EEG
    Autor: Mateus Manfrin Artêncio - videoconferência

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Janaína de Moura Engracia Giraldi (Presidente) - videoconferência

    Prof(a). Dr(a). Marcos Cortez Campomar (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA) - videodonferência

    Prof(a). Dr(a). Jorge Henrique Caldeira de Oliveira (FEA-RP) - videoconferência

    Prof(a). Dr(a). Mariana Bassi Sutter (University of Leeds - England) - videoconferência

     

    Resumo: 

    As Indicações Geográficas (IGs) são um fenômeno crescente no cenário mundial, fomentado pela busca dos consumidores por qualidade nos mais diversos produtos. Através delas, produtores locais se unem para estabelecer padrões de produção, diferenciação e proteção do produto, criando vantagem competitiva através da valorização do território e suas características. Por meio de um experimento, foram examinadas por eletroencefalografica (EEG) as respostas cerebrais dos consumidores. Os dados coletados foram comparados de 3 maneiras diferentes. A primeira, verificou-se o impacto exercido pela origem dos cafés nas respostas cerebrais dos participantes em geral. A partir disso, também foi possível estimar a preferência dos grupos por um dos cafés degustados. Na segunda comparação, focou-se no moderador gênero ao se sobrepor 2 (Informação de origem: com IG e sem IG) x 2 (Gênero: Masculino e Feminino), para analisar a influência da IG do produto nas respostas cerebrais de homens em relação a mulheres. Por fim a terceira, 2 (Informação de origem: com IG e sem IG) x 2 (Envolvimento: Baixo e Alto), examinou a influência da origem do café para os participantes de baixo e alto envolvimento. A amostra foi constituída por estudantes da USP e o café utilizado é de marca brasileira conhecida. Foi verificado, por meio da análise espectral de potência, que a IG gerou influências significativas para os consumidores em geral e de forma distinta em homens e mulheres, de baixo e alto envolvimento. As mulheres em geral e as mulheres de alto envolvimento foram as que apresentaram mais diferenças de potência em ondas e canais e preferência pelo café com IG. Homens e homens de baixo envolvimento também apresentaram diferenças de potência entre estímulos, contudo em menor quantidade e com preferência pelo café sem IG. Em termos teóricos, os resultados demonstram que há grande influência da origem nos consumidores em geral, que esta se difere de acordo com o nível de envolvimento e, principalmente, com o gênero. A pesquisa é uma das primeiras a conciliar os efeitos da informação de origem como IG com uma ferramenta da neurociência. Os resultados colaboram com a literatura de região e país de origem, além de acrescentarem à discussão do papel de moderadores como gênero e envolvimento em seu poder de influência. Em termos práticos, sugere a diferenciação do planejamento e ações de marketing das IGs brasileiras, principalmente de cafés.

  • Naira Denise Kalb Open or Close

    Área: Administração de Organizações

    Curso: Doutorado
    Data: 06/04/2020, às 09h00 (horário de Brasília)
    Local: banca totalmente on-line, via Hangouts Meet
    Transmissão ao vivo:
    https://stream.meet.google.com/stream/d3c22569-1481-4a03-b6e9-a3d7179979c2?authuser=3

    Título: O que os olhos não veem o coração não sente? Um choque de realidade na indução do consumo Slow Fashion: um experimento com estudantes universitários

    Autor: Naira Denise Kalb

    Banca: Prof(a). Dr(a). Rogerio Ceravolo Calia (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Dirceu da Silva (Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP)

    Prof(a). Dr(a). Adriana Cristina Ferreira Caldana (FEA-RP)

    Prof(a). Dr(a). Lara Bartocci Liboni Amui (FEA-RP)

    Prof(a). Dr(a). Filipe Quevedo Pires de Oliveira e Silva (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

    Prof(a). Dr(a). Marcelo Trevisan (Universidade Federal de Santa Maria - UFSM)

     

    Resumo:  Com mudanças rápidas na moda e preços baixos para roupas novas (modelo Fast Fashion), o consumo global de vestuário e têxteis aumentou consideravelmente durante as últimas décadas e a indústria têxtil é uma das maiores poluidoras do meio ambiente. O excesso de consumo é um processo eticamente condenável, pois faz com que os indivíduos comprem e consumam mais do que realmente necessitam. Por outro lado, o modelo Slow Fashion incentiva pessoas a comprar menos com uma qualidade maior e mais duradoura. Diante desse cenário, realizou-se um experimento com 212 estudantes universitários, apresentando um documentário que retrata situações de exploração humana e impactos ambientais da indústria Fast Fashion para verificar se, diante dessa exposição, haveria mudanças positivas de atitude e intenções comportamentais em direção ao Slow Fashion. Dentre os resultados, quase metade dos estudantes reconhece que não tem conhecimento sobre impactos ambientais, ausência de equidade social e exploração humana na indústria da moda ou sobre marcas ecologicamente corretas. Ao utilizar imagens, situações e informações realistas, como as apresentadas no experimento, os estudantes são levados a refletir sobre questões palpáveis e perturbadoras, trazendo para perto de si realidades, muitas vezes, consideradas distantes. O impacto do experimento foi significativo sobre atitudes e intenções para as próximas compras de vestuário/itens de moda e a reflexão sobre o documentário levou a uma intenção de consumo mais sustentável de moda (Slow Fashion). Evidenciou-se maior preocupação com equidade social e a longevidade e versatilidade do vestuário, buscando maneiras diferentes de usar as mesmas roupas e conservando-as por um longo período para não descartá-las rapidamente. Ademais, revelou-se a intenção de redução da frequência de consumo de moda/vestuário, substituindo quantidade de peças por itens de qualidade. Como consequência, com a redução do excesso de consumo, novas oportunidades de crescimento de negócios podem ser potencializadas, como serviços de reparação, reciclagem de vestuário, brechós e moda colaborativa, para ampliar o usabilidade e ciclo de vida dos produtos e redução do descarte em aterros sanitários.