Agenda Qualificações

  • Stephanie Duarte Estéban Open or Close

    Seguem informações a respeito de exame de qualificação de Doutorado agendada na FEA-RP:

    Área: Administração de Organizações
    Data: 06/08/2018, às 10h00
    Local: Sala da Congregação, bloco A da FEA-RP
    Título: O impacto do crescimento de cafés gourmet nos sistemas agroindustriais no sul de Minas Gerais: uma visão estratégica
    Autor: Stephanie Duarte Estéban

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Luciano Thomé e Castro (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Marcos Fava Neves (FEA-RP)

    Prof(a). Dr(a). Maria Sylvia Macchione Saes (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA/USP) - MCONF

  • Stella Vannucci Lemos Open or Close

    Área: Administração de Organizações
    Data: 05/07/2018, às 9h00
    Local: Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: Proposta de boas práticas agroindustriais que contribuam para a eficiência da produção de açúcar e etanol em usinas sucroenergéticas
    Autor: Stella Vannucci Lemos

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Alexandre Pereira Salgado Júnior (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Marcio Mattos Borges de Oliveira (FEA/RP)

    Prof(a). Dr(a). Lara Bartocci Liboni Amui (FEA/RP)

Agenda Defesas

  • Júlio Cesar Borges Open or Close

    Data: 06/08/2018, às 09h00
    Local: Sala 43, Bloco B2 da FEA-RP
    Título: Efetividade no nível interorganizacional de uma rede para a educação em gestão responsável
    Autor: Julio Cesar Borges

    Banca: Prof(a). Dr(a). Adriana Cristina Ferreira Caldana (Presidente)
    Prof(a). Dr(a). Thais Accioly Baccaro (Universidade Estadual de Londrina - UEL) - videoconferência
    Prof(a). Dr(a). Rogerio Ceravolo Calia (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP)
    Prof(a). Dr(a). Flávio Hourneaux Junior (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA) - videoconferência

    Resumo: O senso de urgência para a preservação do planeta e a gestão responsável das organizações, ocupa uma posição de destaque no início do século XXI, na agenda de corporações, escolas de negócios, governos e organizações sem fins lucrativos. O Principles for Responsible Management Education (PRME) surgiu em 2007, como uma resposta à demanda de organizações participantes Pacto Global da ONU (UN Global Compact), para a formação de líderes responsáveis e compromissados o desenvolvimento sustentável. Atualmente a iniciativa PRME tem uma estrutura composta por aproximadamente 700 escolas de negócios, distribuídas em mais de 85 países. Apesar de ser uma rede com mais de 10 anos de existência, com alcance global, nenhuma pesquisa até então investigou o PRME sob o enfoque das redes interorganizacionais e suas causalidades de efetividade. O objetivo geral desta pesquisa é verificar se o PRME é uma rede interorganizacional efetiva no nível da rede inteira, identificando suas relações causais. Documentos institucionais selecionados e relatórios de progresso individuais de membros PRME Champions foram objetos de análise qualitativa de conteúdo e discussões de proposições extraídas da literatura. As contribuições desta pesquisa são o fornecimento de subsídios teórico-empíricos sobre governança aos stakeholders de redes em busca de efetividade, em especial ao PRME, e a ampliação da compreensão no campo teórico sobre redes interorganizacionais. A pesquisa demonstra efeitos positivos do modo de governança, da estrutura, do funcionamento e do contexto sobre a efetividade no nível da rede inteira.

  • Rafael Toniolo da Rocha Open or Close

    Prezados(as) Senhores(as),

    Seguem informações a respeito de defesa de dissertação de mestrado agendada na FEA-RP:

    Área: Administração de Organizações
    Data: 09/08/2018, às 14h00
    Local: Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: Criação de valor compartilhado em negócios sociais: estudo com clínicas populares de saúde preventiva
    Autor: Rafael Toniolo da Rocha

    Banca: Prof(a). Dr(a). Elizabeth Krauter (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Claudio Antonio Rojo (Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste) - Webconferência Mconf

    Prof(a). Dr(a). Kavita Miadaira Hamza (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA) - Webconferência Mconf

    Prof(a). Dr(a). Sonia Valle Walter Borges de Oliveira (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP)

    Resumo: O desenvolvimento humano tem ocorrido de forma desequilibrada: a maximização da riqueza econômica, paradoxalmente, maximiza a desigualdade social e a degradação ambiental. As organizações são os principais agentes do capitalismo, de modo que a estratégia das companhias interferem no desenvolvimento socioambiental e econômico. Neste contexto, a abordagem da criação de valor compartilhado (CVC) parece ter potencial para minimizar este paradoxo do desenvolvimento, ao considerar a geração de valor socioambiental como core business da organização. No entanto, existe sobreposição deste conceito com o conceito de negócios sociais. Assim, este estudo busca compreender como a estratégia de CVC está integrada aos negócios sociais, a fim de identificar como a CVC e os negócios sociais podem contribuir para o equilíbrio do desenvolvimento econômico, social e ambiental. Para atingir este objetivo, foi conduzida uma pesquisa exploratória e descritiva desenvolvida por meio do método de estudo de múltiplos casos com dois negócios sociais que atuam no ramo de clínicas populares de saúde. Utilizou-se a entrevista em profundidade, o questionário e a observação direta. Os dados coletados foram comparados, buscando encontrar padrões comuns e aspectos conflitantes em cada um dos casos. Privilegiou-se a análise de conteúdo como técnica do estudo. Os casos foram classificados e comparados num continuum de negócio sociais, que varia de lógica de mercado a lógica social. Como resultado, verificou-se que os negócios sociais estudados criam valor compartilhado, apesar da limitação conceitual dos entrevistados. Notou-se que o continuum de negócios sociais não é suficiente para delimitar um negócio social, de modo que qualquer organização, independentemente do modelo, pode ser classificada entre lógica social e de mercado. Ademais, foram identificados dezenove fatores essenciais e periféricos para a CVC em negócios sociais, de modo que oito são essenciais e onze periféricos. As conclusões apontam que CVC e negócios sociais apresentam propósito semelhantes, mas se diferenciam em sua concepção. Observou-se que a CVC, assim como os negócios sociais, podem contribuir para o equilíbrio do paradoxo do desenvolvimento, mas não são suficientes para eliminá-lo. A resolução deste paradoxo depende de mudanças de paradigmas que vão além dessas estratégias.

  • Leandro Rodrigues Open or Close

    Prezados(as) Senhores(as),


    Seguem informações a respeito de defesa de dissertação de mestrado agendada na FEA-RP:

    Área: Administração de Organizações
    Data: 23/08/2018, às 14H00
    Local: Sala 43, Bloco B2 da FEA-RP
    Título: Mercado de capitais para pequenas e médias empresas: percepções de um grupo de gestores de empresas em crescimento
    Autor: Leandro Rodrigues

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Elizabeth Krauter (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Vinícius Silva Pereira (Universidade Federal de Uberlândia - UFU) - Webconferência Mconf

    Prof(a). Dr(a). Léo Raifur (Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)  - Webconferência Mconf

    Prof(a). Dr(a). Almir Ferreira de Sousa (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA)  - Webconferência Mconf

     

    Resumo: As pequenas e médias empresas desempenham um papel importante para a economia dos países, seja pela geração de empregos ou por sua participação no Produto Interno Bruto. No entanto, esse grupo de empresas enfrenta uma série de dificuldades quanto à obtenção de recursos para alavancar o seu crescimento e financiar seus projetos de longo prazo. Uma das alternativas é o acesso ao mercado de capitais, opção que deve ser incentivada e facilitada pelas instituições interessadas. Apesar da relevância do tema é possível observar a escassez de pesquisas relacionadas ao assunto, portanto, este trabalho pretende apresentar um referencial que possa colaborar com o crescimento e desenvolvimento da pequena e média empresa e com novas pesquisas nesta área. A pesquisa é quantitativa de caráter exploratória, não probabilística. Os meios de obtenção dos dados são: bibliográfico e pesquisa de campo, através de um questionário enviado para um grupo de gestores de pequenas e médias empresas emergentes. Os resultados sugerem que esses gestores possuem conhecimento sobre diferentes fontes de financiamento, sobre mercado de capitais e Governança Corporativa. As empresas pesquisadas são de capital fechado e a maioria não pretende abrir o capital. Dentre as que pretendem abrir o capital ou não desconsideram essa possibilidade, os resultados apontam que elas estão se preparando para futuro acesso ao mercado de ações, mas os seus gestores apontam os custos, principalmente os relacionado ao processo de IPO como principal barreira. Os resultados sugerem vários fatores que podem colaborar com as PMEs, como incentivos fiscais aos investidores e presença de um assessor. Indicam também que esse grupo de empresas em crescimento pretende prosseguir com suas estratégias de crescimento aplicando os recursos obtidos em tecnologia, inovação e busca de novos mercados.O trabalho possui aplicabilidades práticas por trazer informações que podem sem utilizadas por gestores que desejam buscar novas formas de financiamento para seus projetos e colaborar com o aprimoramento do segmento da bolsa voltado para pequenas empresas com potencial de crescimento.

  • Tamiris Capellaro Ferreira Open or Close

    Data: 23/08/2018, às 14h00
    Local: Sala da Congregação, bloco A da FEA-RP
    Título: Impactos e desafios da construção civil brasileira para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
    Autor: Tamiris Capellaro Ferreira

    Banca: Prof(a). Dr(a). Adriana Cristina Ferreira Caldana (Presidente)
    Prof(a). Dr(a). Saulo Fabiano Amancio Vieira (Universidade Estadual de Londrina - UEL) - videoconferência
    Prof(a). Dr(a). Sonia Valle Walter Borges de Oliveira (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP)
    Prof(a). Dr(a). Sylmara Lopes Francelino Gonçalves Dias (Escola de Artes, Ciências e Humanidades - EACH/USP) - videoconferência

    Resumo: O desenvolvimento sustentável tem sido um grande desafio global e as empresas têm grande participação nesse processo, uma vez que movimentam a economia e geram empregos, consomem matérias-primas e poluem o meio ambiente. As grandes corporações são as que causam os maiores danos, mas podem contribuir para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e suas prioridades globais. A indústria da construção civil, especificamente, desempenha importante papel econômico e é responsável por um consumo significativo de recursos naturais e por um impacto ambiental bastante expressivo. Coibidas por pressões externas, de regulamentações, investidores e outras partes interessadas, as empresas do setor da construção civil têm feito seu relato de sustentabilidade de acordo com o modelo da Global Reporting Iniciative (GRI), que incentiva as empresas a definirem quais questões relativas à sustentabilidade são mais relevantes para sua cadeia de valor, por meio do princípio de “materialidade”. O principal objetivo deste trabalho foi identificar como a construção civil brasileira impacta positiva ou negativamente os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), considerando os segmentos das construtoras, fábricas e cimenteiras. Um grupo de empresas representantes da construção civil brasileira foi selecionado para o estudo, que se dividiu em três etapas, sendo a primeira uma revisão sistemática de literatura a respeito dos impactos do setor da construção civil; a segunda uma análise de dados secundários, que são os relatórios de sustentabilidade das empresas estudadas; e a terceira uma etapa de entrevistas com especialistas do setor da construção civil. Na segunda etapa, com base nas matrizes individuais das empresas, foram elaboradas matrizes de materialidade unificadas para os segmentos do setor. Elas foram, então, validadas pelos especialistas da construção civil e comparadas com os dados encontrados na revisão sistemática de literatura. Após a validação das matrizes, conseguiu-se uma relação dos ODS que são impactados positiva ou negativamente pelos principais aspectos materiais do setor. Identificou-se que os principais ODS impactados positivamente são os de número 3, 4, 8 e 9; e os principais ODS impactados negativamente são os ODS 5, 6, 7, 10, 11, 12, 13, 15 e 16. Isso indica que apenas 4, dentre os 17 ODS não são diretamente impactados pelos aspectos materiais do setor da construção civil brasileira. Sendo assim, foram feitas sugestões para mitigação dos impactos causados que incluem, principalmente, medidas governamentais, em relação à regulamentação e fiscalização; e empresariais, a respeito do modelo de gestão. Tendo como base o Guia SDG Compass, as empresas poderão desenvolver uma estratégia de gestão que tenha o propósito de colocar a sustentabilidade no centro da estratégia empresarial. Desta forma, as empresas poderão desenvolver um modelo de gestão voltado para o futuro e para o alcance dos ODS e, assim, melhorar o diálogo entre todas as partes interessadas. Além disso, este trabalho agrega conhecimento teórico ao avançar na exploração da literatura e da pesquisa sobre os ODS, uma vez que eles, tendo sido lançados no final de 2015, ainda se tratam de um campo recente de pesquisa. O trabalho também avança no delineamento do panorama em que o setor de construção civil brasileiro se encontra frente à sustentabilidade organizacional, aos relatos de sustentabilidade com base nas diretrizes da GRI e ao desenvolvimento de matrizes de materialidade.

  • Alexandre Rodrigues Cajuela Open or Close

    Prezados(as) Senhores(as),


    Seguem informações a respeito de defesa de dissertação de mestrado agendada na FEA-RP:Área: Administração de Organizações
    Data: 27/08/2018, às 13h30
    Local: Sala 43, Bloco B2 da FEA-RP
    Título: Capacidade de absorção em startups sob a perspectiva do gerenciamento de processos de negócio
    Autor: Alexandre Rodrigues Cajuela

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Simone Vasconcelos Ribeiro Galina (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Adriana Roseli Wünsch Takahashi (Universidade Federal do Paraná - UFPR) - Webconferência Mconf

    Prof(a). Dr(a). Luciana Oranges Cezarino (Universidade Federal de Uberlândia - UFU) - Webconferência Mconf

    Prof(a). Dr(a). Silvia Inês Dallavalle de Pádua (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA) 

     

    Resumo: Capacidade de absorção é um tipo de capacidade dinâmica da firma, presente na literatura de gestão estratégica e que demonstra a aprendizagem organizacional, a partilha de conhecimentos, a inovação e o desempenho da empresa. Estudos anteriores indicam que é importante se concentrar nas rotinas e processos que as organizações usam para adquirir, assimilar, transformar e explorar o conhecimento, dentro do conceito de capacidade de absorção. Entretanto, é ainda um tema recente e pouco estudado na academia e, por isso, alguns autores chamam a atenção para a falta de estudos dos processos relacionados a efetiva implementação e realização da capacidade de absorção nas empresas. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho é fornecer uma compreensão de como a capacidade de absorção ocorre nas startups, que mantém relacionamentos interorganizacionais com grandes empresas, para obtenção de vantagem competitiva, sob a perspectiva do gerenciamento de processos de negócio. Para atender aos objetivos propostos, foi utilizado o estudo de caso como método de pesquisa, permitindo identificar os gatilhos que iniciam e terminam os processos de absorção de conhecimento nas startups, bem como as atividades estruturadas e sistematizadas que operacionalizam o conceito. Foi construído um diagrama de atividades que representa o modelo de processos para o desenvolvimento da capacidade de absorção, indicando que os processos de negócio estão relacionados aos fluxos de informações que são processados pelas startupsnos programas de aceleração corporativa. O estudo contribui para o avanço no estado da arte ao descrever os processos de negócio relacionados à operacionalização do conceito de capacidade de absorção em startups, por meio dos relacionamentos interorganizacionais com as grandes empresas.

  • Artur de Lazzari Mazzo Open or Close

    Prezados(as) Senhores(as),


    Seguem informações a respeito de defesa de dissertação de mestrado agendada na FEA-RP:

    Área: Administração de Organizações
    Data: 11/09/2018, às 14:00
    Local: Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: Governança e análise fenomenológica em smart cities: um estudo da Amsterdam Smart City (ASC)
    Autor: Artur de Lazzari Mazzo

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Claudia Souza Passador (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Fernando Antonio Prado Gimenez (Universidade Federal do Paraná - UFPR)

    Prof(a). Dr(a). Erasmo Jose Gomes (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP) 

    Prof(a). Dr(a). André Carlos Busanelli de Aquino (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP)

     

    Resumo: Em um cenário atual em que o mundo apresenta ritmos de crescimento populacionais acelerados e consequentes acréscimos de habitantes vivendo em zonas urbanas, deve-se considerar que as cidades apresentam desafios e questões como alto índice de congestionamentos de trânsito, poluição do ar, consumo de recursos naturais, insegurança, etc. Surge-se, neste contexto, o desenvolvimento das chamadas Smart Cities, que são cidades que apresentam iniciativas inteligentes para solucionar ou melhorar a qualidade de vida do cidadão, baseadas em dimensões que envolvem o meio ambiente, governança, economia, mobilidade, pessoas, infraestrutura e tecnologia. A iniciativa escolhida foi a cidade de Amsterdã, mais precisamente a organização ASC (Amsterdam Smart City), que hoje representa, globalmente, um dos principais exemplos de iniciativas de Smart Cities do mundo. O presente estudo busca responder à seguinte questão de pesquisa: Como é estruturada a governança da ASC (Amsterdam Smart City) e, a partir de experiências vividas na cidade, como a smart city contribui para a qualidade de vida da população? Para responder a questão relacionado à governança, foi utilizado o modelo de redução lógica de governança proposto por Lynn (2000). E como base das unidades de sentido da análise fenomenológica, foi utilizado o Framework Integrativo de Iniciativas de Smart Cities na Amsterdam Smart City proposto por Chourabi et al., (2012). Visando um melhor entendimento buscou-se utilizar uma abordagem qualitativa, tendo como método o estudo de caso. A coleta de dados obteve-se através de entrevistas semiestruturadas para duas pessoas com amplo conhecimento da organização. E, para a análise fenomenológica, uma entrevista semiestruturada teve como base, porém foi utilizada uma narrativa descritiva do próprio autor a partir de suas próprias experiências vividas na cidade. Os resultados demonstrados no presente estudo refletem a importância de um olhar mais abrangente para o desenvolvimento de cidades inteligentes que não só a tecnologia a ser aplicada. Uma governança inteligente é tão importante quanto a tecnologia, pois molda e viabiliza os projetos, cria parcerias essenciais, estrutura e operacionaliza as iniciativas e realiza um papel importante na gestão municipal de mudança de paradigmas e cultura direcionada para a inovação.