Agenda de Seminários Acadêmicos

Agenda Qualificações

Agenda Pré-Defesas

Agenda Defesas

  • Antonio Daniel Ricardo Engracia Caluz Open or Close

    Seguem informações a respeito de defesa de dissertação de mestrado agendada na FEA-RP:

    Área: Economia - Área: Economia Aplicada
    Data: 18/07/2018, às 16h00
    Local: Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: O papel das habilidades socioemocionais no fluxo escolar: uma análise do Ensino Médio brasileiro
    Autor: Antonio Daniel Ricardo Engracia Caluz

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Daniel Domingues dos Santos (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Naercio Aquino Menezes Filho (INSPER) - Webconferência Mconf

    Prof(a). Dr(a). Ricardo Primi (Universidade São Francisco - USF)  - Webconferência Mconf

    Prof(a). Dr(a). Luiz Guilherme Dacar da Silva Scorzafave (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP)

     

    Resumo: O fluxo escolar brasileiro representa um problema crônico para o caso do Ensino Médio do país. A literatura mostra que o retorno do investimento escolar é atrativo no país, tanto por apresentar uma taxa média alta, como pelo fato de que o adicional de salário devido aos níveis educacionais mais altos são maiores do que nos estágios iniciais da educação, i.e., o retorno educacional brasileiro aparenta ser crescente e convexo, diferente do que se apresenta na literatura internacional. A explicação usual para a evasão se dá através das restrições orçamentárias e de crédito enfrentadas pelas famílias, o que poderia fazer com que o jovem permanecesse mais tempo na escola, esperando um salário futuro maior. Somado a este retorno atrativo da educação, o país expandiu abruptamente os gastos educacionais. Porém, apesar da expansão, a escolaridade e as medidas de fluxo no país não reagiram proporcionalmente, despertando, assim, a atenção da literatura para explicação desse puzzle. A despeito destes fatos, a literatura internacional avançou no sentido de mostrar dois fatos que auxiliam na investigação dessa questão: em primeiro lugar, o retorno da educação pode variar entre indivíduos, ainda que a média seja alta. Por exemplo, indivíduos com maior aptidão podem ser os que se beneficiam mais de uma escolaridade maior, explicando o motivo de alguns abandonarem a escola. Em segundo lugar, a literatura avançou em mostrar que um fator importante na previsão de resultados escolares são habilidades não-cognitivas, como as habilidades socioemocionais. Portanto, este presente trabalho buscou explorar uma coleta de dados realizada em Sertãozinho - SP, em 2008, 2012 e 2017, em que estão disponíveis dados socioemocionais dos estudantes, além de dados demográficos e cognitivos, de estudantes que estavam no segundo ano do Ensino Fundamental em 2008, e em 2017 idealmente estariam no Ensino Médio, possibilitando investigar se existe uma associação entre características socioemocionais e o fluxo escolar. Os resultados indicam que tais fatores têm poder preditivo relevante na explicação do fluxo escolar brasileiro, medidos pela probabilidade de os indivíduos permanecerem estudando e pela probabilidade de se atingir o Ensino Médio em 2017, sendo que a Conscienciosidade e a Amabilidade do estudante aumentam a chance do aluno persistir estudando, enquanto que a Extroversão reduz essa probabilidade, em linha com algumas evidências da literatura. Os resultados trazem como contribuição uma evidência empírica inicial para confirmar as ideias clássicas do Modelo de Tinto (1975) para evasão escolar, que depende da integração do aluno a escola e aos colegas, e estão também em linha com Poropat (2009), que explica a possibilidade de uma relação negativa entre a Extroversão e resultados escolas.

  • Matheus Mascioli Berlingeri Open or Close

    Prezados(as) Senhores(as),


    Seguem informações a respeito de defesa de dissertação de mestrado agendada na FEA-RP:

    Área: Economia - Área: Economia Aplicada
    Data: 19/07/2018, às 15h00
    Local: Sala 43 - Blobo B2 da FEA-RP
    Título: Competências socioemocionais e mercado de trabalho: um estudo para o caso brasileiro
    Autor: Matheus Mascioli Berlingeri

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Daniel Domingues dos Santos (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Ricardo Primi (Universidade São Francisco) - Webconferencia Mconf

    Prof(a). Dr(a). Luiz Guilherme Dacar da Silva Scorzafave (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP)

    Prof(a). Dr(a). André Portela Fernandes de Souza (Fundação Getúlio Vargas - FGV) - Webconferencia Mconf

     

    Resumo: Rápidos avanços da tecnologia e desenvolvimentos em diversos campos da ciência provocam mudanças profundas na forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Ao mesmo tempo que a revolução tecnológica faz com que tarefas cognitivas de complexidade rapidamente crescente sejam executadas de forma cada vez mais eficiente, a interação humana simples revelou-se difícil de automatizar, despertando temores de que várias ocupações acabem se tornando obsoletas e provocando mudanças no rol de habilidades demandadas pelo mercado. Nesse contexto, é bem documentado o papel relevante das competências socioemocionais no desenvolvimento de competências para o trabalho, sugerindo que os retornos do mercado de trabalho para habilidades não cognitivas têm aumentado ao longo do tempo e que os retornos são particularmente fortes para indivíduos que possuem habilidades cognitivas e não cognitivas. Nosso estudo busca estudar a relação entre competências socioemocionais e variáveis chave do mercado de trabalho da economia brasileira. Acreditamos que este conhecimento possa incentivar e reforçar as parcerias entre governos, educadores, formadores, trabalhadores e empregadores, a fim de gerir melhor o impacto transformador da Quarta Revolução Industrial no emprego, nas competências e na educação.