Agenda Qualificações e Defesas

  • Maria Angélica Oliveira Luqueze Open or Close

    Prezados(as) Senhores(as),

    Seguem informações a respeito de defesa de tese de Doutorado agendada na FEA-RP:

    Área:    Administração de Organizações
    Data:    16/10/2017, às 09h30
    Local: Sala 43, Bloco B2 da FEA-RP
    Título: A inovação aberta do Índice NASDAQ-100: um estudo das redes de cooperação formadas a partir das patentes
    Autor: Maria Angélica Oliveira Luqueze

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Geciâne Silveira Porto (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Alsones Balestrin (Universidade do Vale do Rio dos Sinos)

    Prof(a). Dr(a). Priscila Rezende da Costa (UNINOVE)

    Prof(a). Dr(a). Evandro Marcos Saidel Ribeiro (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP)

    Prof(a). Dr(a). Simone Vasconcelos Ribeiro Galina (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP)

    Prof(a). Dr(a). Ernesto Michelangelo Giglio (Universidade Paulista - UNIP)

     Resumo: A inovação apresenta-se, primordialmente, nas indústrias intensivas em tecnologia que, nos últimos anos, criaram redes globais de parceiros para melhorar o alcance e a gama de seus produtos, serviços e tecnologias. Em virtude de o conceito de inovação estar intimamente ligado à tecnologia, o presente trabalho toma por base o ambiente de negociações de ações na maior bolsa de valores do mundo das empresas de tecnologia, a NASDAQ. Por ser a representação das maiores companhias na bolsa, o Índice NASDAQ-100 constitui o universo da pesquisa que buscou estudar as empresas quanto ao grau de inovação aberta por meio da construção e análise das redes de cooperação. Em vista disso, apresenta-se um estudo sobre essas empresas denominadas de alta tecnologia para o período 1995-2014 analisando suas patentes protegidas em parcerias com o objetivo de classificá-las em uma matriz de inovação aberta, bem como, mapear a configuração e abrangência das suas redes de cooperação. Além disso, propicia discussão sobre a evolução dos investimentos em P&D e as áreas tecnológicas priorizadas pelas empresas. Por abordar extenso horizonte de 20 anos e adotar como paradigma o vínculo dos agentes nos pedidos de patentes, as análises permitiram o diagnóstico dos diversos padrões de comportamento no tocante às redes de cooperação para inovação dentre as empresas. Fundamentalmente, como resultantes das estratégias particulares e específicas adotadas por cada companhia, as redes de cooperação são distintas, entretanto, as principais métricas das redes são convergentes quanto ao grau de inovação aberta. Além disso, os resultados indicam que as áreas tecnológicas de interesse das empresas da amostra pesquisada estão mais concentradas na tecnologia proprietária, o que reforça a postura em manter investimentos em P&D na sua principal área de atuação. Assim, as parcerias são firmadas no sentido de intensificar o domínio tecnológico, na busca das complementaridades necessárias.

  • Ana Claudia Bansi Open or Close

    Área:    Administração de Organizações
    Data:    13/11/2017, às 14h00
    Local: Sala 43, Bloco B2 da FEA-RP
    Título: O papel da sustentabilidade organizacional na relação entre o grau de internacionalização e o desempenho de empresas multinacionais
    Autor: Ana Claudia Bansi

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Simone Vasconcelos Ribeiro Galina (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Felipe Mendes Borini (FEA/USP)

    Prof(a). Dr(a). Alexandre Bevilacqua Leoneti (FEARP/USP)

    Prof(a). Dr(a). Luciano Munck (UEL)

    Prof(a). Dr(a). Lara Bartocci Liboni Amui (FEARP/USP)

    Obs.: É vedada a participação na comissão examinadora, de parente em linha direta ou colateral até quarto grau do aluno, do orientador e dos demais membros da referida comissão, conforme estabelecido no § 3º do artigo 94 do Regimento de Pós-Graduação (Resolução CoPGr nº 6542, de 18/04/2013).

     Resumo: A relação entre internacionalização e desempenho tem sido estudada desde a década de 1970. Contudo, os resultados têm sido divergentes. Estudos indicam que se deve concentrar mais fortemente em identificar as variáveis moderadoras promissoras dessa relação. Uma vez que a sustentabilidade é percebida como um fator estratégico que é capaz de interferir, de alguma forma, no desempenho e na vantagem competitiva das empresas multinacionais (EMNs), este estudo tem como objetivo compreender se as ações sustentáveis realizadas pelas EMNs moderam a relação entre o grau de internacionalização e o desempenho das mesmas. As ações sustentáveis são entendidas por meio de dois fatores. O primeiro é a divulgação de ações sustentáveis que envolve a elaboração e disponibilização de relatórios de sustentabilidade aos stakeholders. Esses relatórios são baseados em diretrizes de divulgação que abarcam informações nos pilares: econômico, ambiental e social. O segundo é a gestão da sustentabilidade que envolve a adoção de sistemas de gestão ambiental/social – que representa, por meio das certificações angariadas, uma legitimidade da existência de ações socioambientais; e a geração de inovação sustentável – que representa, por meio do desenvolvimento de produtos e/ou processos que lidam com desafios socioambientais, a existência de preocupações reais quanto à sustentabilidade. A amostra do trabalho foi composta por EMNs que constam na base de dados da Thomson Reuters Eikon entre as maiores empresas de capital aberto do mundo. Os dados foram levantados para o período de 2006 a 2015. As hipóteses do trabalho foram testadas com a aplicação da técnica de dados em painel, com regressões pelo método de Mínimos Quadrados Ordinários (MQO). Por fim, os principais resultados encontrados foram: a) a relação entre internacionalização e desempenho é moderada por ações sustentáveis, adotando um resultado não-linear em forma de U-invertido; b) divulgar a sustentabilidade é uma ação sustentável realizada pelas EMNs que apresenta ter um papel moderador da relação entre internacionalização e desempenho, demonstrando um efeito não-linear em forma de J-invertido; c) adotar sistemas de gestão ambiental/social é uma ação sustentável realizada pelas EMNs que apresenta um papel moderador da relação entre internacionalização e desempenho, demonstrando um efeito não-linear em forma de U-invertido; e d) realizar inovação sustentável não influencia na relação entre internacionalização e desempenho.