O Projeto “Finanças em Dia!” é um projeto de extensão universitária idealizado e coordenado pelo prof. Dr. Marcelo Augusto Ambrozini, seu objetivo é levar conhecimento sobre opções de investimentos financeiros e fontes alternativas de financiamento para a comunidade da cidade de Ribeirão Preto e seu público alvo são pessoas físicas e pequenos e médios empresários da cidade de Ribeirão Preto.

Em 2015, a I Edição do “Finanças em Dia!” foi realizada no Parque Municipal Dr. Luís Carlos Raya, localizado no Jardim Botânico em Ribeirão Preto, onde os alunos de graduação, cerca de 120 envolvidos no projeto, divididos em grupos de até quatro integrantes, fizeram uma exposição dos banners em local público e ficaram à disposição das pessoas interessadas em tirar dúvidas e/ou conhecer mais a fundo as opções de investimentos e fontes de financiamento existentes no mercado financeiro brasileiro. Posteriormente, o material será exposto em outros locais púbicos e em algumas faculdades da USP de Ribeirão Preto.

Os produtos financeiros apresentados, falando sobre a tributação incidente sobre esses produtos foram:

Agenda Qualificações

Agenda Defesas

  • Juliano Augusto Orsi de Araujo Open or Close

    Área:  Controladoria e Contabilidade
    Data:   03/06/2019, às 14h00 (horário de Brasília)
    Local: Sala 43, Bloco B2 da FEA-RP
    Título: Remuneração de executivos e informação contábil: um estudo sobre a qualidade do lucro e o fluxo de caixa operacional
    Autor: Juliano Augusto Orsi de Araujo

     

    Banca: Prof(a). Dr(a). Maisa de Souza Ribeiro (Presidente)

    Prof(a). Dr(a). Andson Braga de Aguiar (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - FEA) - webconferência MCONF

    Prof(a). Dr(a). Marcelo Botelho da Costa Moraes (FEA-RP)

    Prof(a). Dr(a). Ilse Maria Beuren (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC) - webconferência MCONF

    Prof(a). Dr(a). Tabajara Pimenta Júnior (FEA-RP)

    Prof(a). Dr(a). Nuno Gonçalves Gracias Fernandes (Universidade Católica Portuguesa) - webconferência MCONF

     

    Resumo: As relações entre investidores e executivos são abordadas pela Teoria da Agência que, entre outras tratativas, afirma que a remuneração executiva é um instrumento que investidores dispõem para controlar as ações de executivos. No entanto, há a assimetria de informações e os executivos possuem maneiras de gerenciar dados contábeis de modo a atingir as metas estabelecidas pelas políticas de remuneração e aumentar a própria riqueza, em detrimento do aumento da riqueza do acionista. Nesse sentido, esta tese investigou se a informação contábil tem a capacidade de influenciar nos determinantes da remuneração executiva de companhias europeias, no período de 2008 a 2017. Para isso, lançou-se mão de três artigos independentes que juntos constroem esta tese. O primeiro, uma revisão de literatura em que se traçou um retrato temporal, geográfico e temático das publicações acerca do problema de agência. Os dois artigos seguintes são empíricos e abordaram duas vertentes contábeis de suma importância para a sustentação de uma companhia: o resultado e o caixa. O segundo artigo investigou se os pacotes de remuneração executiva sofrem influência da qualidade do resultado e o terceiro artigo investigou acerca da influência do fluxo de caixa operacional sobre a remuneração executiva. A pesquisa utilizou dados secundários, de modo que o estudo bibliográfico foi elaborado a partir de um levantamento bibliométrico, e os dois trabalhos empíricos foram construídos a partir de dados coletados da base Thomson Reuters Eikon© e de empresas estabelecidas em países da União Europeia, no período de 2008 a 2017. A técnica estatística aplicada foi a regressão com dados em painel. O estudo bibliométrico indicou uma lacuna no conhecimento preenchida pelos dois artigos empíricos. O primeiro identificou que as companhias não determinam os pacotes de remuneração a partir da qualidade do resultado; o segundo identificou uma bonificação paga ao executivo em função da geração de caixa operacional. A contribuição da tese se dá no alerta aos investidores acerca da determinação das políticas de remuneração executiva a partir de indicadores de desempenho de curto prazo, não havendo nenhuma relação destas compensações com indicadores que apontam qualidade da informação contábil e  sustentabilidade de resultados no longo prazo.

Atualização do site

  • Atualizado em: 18 Abril 2019, 17:44:26.